Não fui reformado! Fui transformado por Deus!


Não fui reformado! Fui transformado por Deus! (Rom:12:2)

Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais. E surgiu justamente porque vi muitos pentecostais sendo ingenuamente atraídos por blogs reformados que atacam o pentecostalismo. Amo e respeito meus irmãos reformados. E minha visão é que devemos unir forças para evangelizar o mundo ao invés de ficar digladiando entre nós. Discordo da teologia reformada e do calvinismo, mas sem desrespeitar meus irmãos reformados. Temos muito em comum.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Arminianismo é Bíblico

Arminianismo na Bíblia

Arbítrio Liberto ou Depravação Total do Homem?
A Bíblia ensina que o homem é moralmente corrupto (Jer 17:9; Rom 3:10-18), morto em ofensas e pecados (Ef 2:1) e espiritualmente cego (1Cor 2:14), mas ela não ensina que o homem é incapaz de responder ao Evangelho.

O homem precisa da ação do Espírito Santo para entender o evangelho (obra de convencimento). O livre-arbítrio não é uma capacidade inata de escolher a salvação sem o Espírito Santo, mas é justamente a liberdade de responder ao chamado de Deus.

Várias passagens deixam claro que é Deus quem chama para a fé (Ef 1:19; Ef 2:8; Fp 1:29 Jo 6:65) e arrependimento (At 11:18; Rm 2:4; 2Co 7:10; 2Tm 2:25). Não é o homem que tem a iniciativa de buscar Deus. Mas a Bíblia também deixa claro que o homem pode aceitar ou rejeitar esse chamado divino:

Isaías 55:7: Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos; volte-se ao Senhor, que se compadecerá dele; e para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar.
Isaías 1:18-19: Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra.
Dt:30:19: Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas

[É fato que os judeus escolheram a morte, mas tinham livre-arbítrio]
Mt:23:37: Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!
At:13:46: Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios;
At 3:19: Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados.
Rm 10:9-10: Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.
Ap 22:17: Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida.


O Espírito Santo chama a todos, embora nem todos respondam positivamente.
Jo:16:8: E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.
Jo:1:9: Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.
Jo:12:32: E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim.
1Cor:12:3: Ninguém pode dizer que Jesus é o SENHOR, senão pelo Espírito Santo.
Ti:2:11: Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens.
=Está provado na Bíblia que o homem tem livre-arbítrio.



Eleição Condicional ou Eleição Incondicional?
1Tm:2:4: Deus quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.
A Bíblia é clara quando diz que a Eleição é baseada na presciência – Deus sabia quem iria crer em Jesus:
1Pedro:1:2: Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo..
Rom:8:29: Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho.


No calvinismo, sendo a eleição um decreto divino totalmente arbitrário é impossível um eleito deixar de ser salvo, pois Deus providencia a salvação daqueles que escolheu.
Mas vemos na Bíblia que é possível uma pessoa que Deus quis salvar deixar de ser salva se aqueles que já são salvos forem omissos em pregar a Palavra:
Ezequiel:3:18: Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; e tu não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca do seu mau caminho, para salvar a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniqüidade, mas o seu sangue, da tua mão o requererei.
= Está provado na Bíblia que a eleição é condicional.


Expiação Ilimitada ou Expiação Limitada?Jo:3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Jo:3:17: Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.


Deus ama a todos os homens e todos podem crer nele (Jo 3:16)
Deus deseja que todos os homens sejam salvos (2 Pe 3:9)
Deus deu ordens que o Evangelho seja pregado para toda & cada pessoa (Mc 16:15)
Jesus é o preço de redenção por todos os homens (1 Tim 2:6)
Jesus provou a morte por todos os homens (Heb 2:9)
Jesus providenciou propiciação para todos os homens (1 João 2:2)
Deus providenciou reconciliação para todos os homens (2 Cor 5:19)
Jesus comprou até falsos mestres não salvos (2 Pe 2:1)
A iniqüidade de todos os homens foi colocada sobre Jesus (Is. 53:6).
= Está provado na Bíblia que a expiação é ilimitada.


Graça Resistível ou Graça Irresistível?
A Bíblia afirma claramente que Deus estendeu Sua graça para todos os homens, mas ela foi rejeitada por muitos deles. Nos casos abaixo não foi apenas uma resistência temporária e sim definitiva.

Caim: Gn:4:6-7: E o SENHOR disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.
O mundo antes do dilúvio: Gn:6:3: Então disse o SENHOR: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.

O velho Israel: Rom:10:21: Mas para Israel diz: Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente.

Judeus na época de Cristo: Jo:5:39: Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; e não quereis vir a mim para terdes vida.

Judeus na época de Paulo: At:13:46: Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios;

Fil:1:28: E em nada vos espanteis dos que resistem.
2Tm:3:8: Estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.


Se as pessoas não pudessem resistir à graça de Deus então todas as pessoas seriam salvas, pois o Espírito Santo trabalha em TODOS para convencer do pecado.
= Está provado na Bíblia que a graça é resistível.


Decair da Graça ou Perseverança do Crente?Os calvinistas costumam dizer que você não perde salvação porque você não fez nada para alcançá-la. Isso é apenas uma frase de efeito. Como vimos acima nós respondemos ao chamado de Deus, aceitando ou resistindo à graça. E é possível alguém rejeitar a fé mesmo depois de tê-la abraçado.

1Tm:1:19-20: Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar.
1Tm:5:15: Porque já algumas se desviaram, indo após Satanás.

Quem se desvia fica num estado pior que antes de se converter:
2Pd:2:20: Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro.

Demas era cooperador de Paulo e se desviou completamente:
Col:4:14: Saúda-vos Lucas, o médico amado, e DEMAS.
Fil:1:24: Marcos, Aristarco, DEMAS e Lucas, meus cooperadores.
2Tm:4:10: Porque DEMAS me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica.


A Bíblia mostra que é possível não perseverar até o fim:
Ap:2:10: Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
Heb:10:38: Mas o justo viverá da fé; E, SE ELE RECUAR, a minha alma não tem prazer nele.
Col:1:23: SE PERMANECERDES fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.
Heb:3:12: Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para SE APARTAR do Deus vivo.


Quando falamos em perda de salvação não cremos que qualquer pecado faz a pessoa perder a salvação, nem que a pessoa que ficou um tempo “desanimada espiritualmente” perdeu a salvação... Isso só acontece quando a pessoa descrê totalmente (ou seja, voltar a viver em pecado como se Deus não existisse, rejeita completamente a graça de Deus em sua vida – perde a fé).
= Está provado na Bíblia que o crente pode perder a salvação.

Ap:3:5: O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Calvinismo: Sistema Coerente, mas não Bíblico!

Calvinismo: Coerente, mas não Bíblico!

Acho interessante o tempo que o calvinistas gastam tentando provar que o calvinismo é coerente. Argumentam que se a depravação é total e a eleição incondicional, faz sentido a expiação limitada. E se a expiação é limitada a graça é irresistível, e é por isso que os santos perseveram até o fim, etc...

De fato, o calvinismo é um sistema teológico coerente, assim como o arminianismo.
Não precisam gastar tempo tentando provar isso.

O ponto não é a coerência dos sistemas, mas a biblicidade.

O arminianismo é bíblico-cêntrico.
O calvinismo é teológico-cêntrico.


Tanto isso é verdade que ao discutirmos com calvinistas é bastante comum ouvirmos algo assim: "Para entender esse assunto você precisa ler a obra XXX do teólogo reformado Fulano de Tal".
Em vez de apelar para a Bíblia apelam para a argumentação rebuscada de autores reformados.

O arminianismo provo com a Bíblia.
Não preciso recorrer a argumentos sofisticados e complexos.

Sola Scriptura.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Calminianismo: Meio-Termo?

Calminianismo: Meio-Termo?

Mesmo sem conhecerem o termo "Calminianismo" é comum vermos cristãos que dizem que preferem adotar uma postura mediana entre o calvinismo e o arminianismo.
Seria o meio-termo entre os dois.

Mas será possível haver um "meio-termo" em posições tão opostas e binárias?
Os 5 pontos calvinistas são coerentes entre si - negar um deles é desmontar todo o sistema:
1 - Depravação total
2 - Eleição incondicional
3 - Expiação limitada
4 - Graça Irresistível
5 - Perseverança dos Santos

Os 5 pontos arminianos são coerentes entre si - negar um deles é desmontar todo o sistema:
1 - Arbítrio Liberto
2 - Eleição condicional
3 - Expiação ilimitada
4 - Graça resistível
5 - Decair da Graça

Ou seja, os 2 sistemas são coerentes e por uma questão de lógica não dá pra fazer um misto dos dois. Alguém até pode crer em 3 pontos da TULIP e 2 pontos arminianos. Mas isso é altamente incoerente e sem lógica!

Também não tem como pegar cada ponto e tentar um meio termo.
1 - Ou o homem tem capacidade de escolher a salvação ou não tem. Não tem opção C.
2 - Ou a Eleição é condicional ou é incondicional. Não tem outra opção.
3 - Ou a Expiação é ilimitada ou não é. Não existe mais ou menos limitada.
4 - Ou a Graça é irresistível ou é possível resistir. É uma ou outra.
5 - Ou é possível perder a salvação ou é impossível. Não tem meio-termo.

Claro que existem variações desses sistemas, mas todas apenas super-enfatizam um ponto dos sistemas acima. Em suma, todos os sistemas se aproximam ou do arminianimo ou do calvinismo.

O Catolicismo exagera no ponto "1" ao dizer que além de crer o homem deve praticar obras pra ser salvo.
O Pelagianismo exagera no ponto "1" ao dizer que o homem pode escolher a salvação sem ação do Espírito Santo.
O Teísmo-Aberto exagera no ponto "2" ao dizer que Deus não sabe o futuro.
O Ultra-Arminianimo exagera no ponto "5" diz que a cada pecado a pessoa perde a salvação.

O Calvinismo erra nos "5 pontos" ao super-enfatizar a soberania de Deus tranformando-o num ditador tirano.
O Hiper-calvinismo exagera no ponto "2" da TULIP ao dizer que Deus determinou tudo (determinismo).

Por isso tudo percebe-se que é infrutífera a tentativa de conciliar calvinismo e arminianismo. Pode-se aprender com ambos, mas não dá para crer em ambos.

Resta então a pergunta principal: qual desses sistemas é bíblico?
Leia os artigos e posts desse BLOG e descubra!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

ATOS também é normativo!

ATOS também é normativo!

Acho curioso que sempre que estamos argumentando com um reformado sobre algum tema e citamos algum exemplo, padrão ou ensino do livro de Atos, logo ouve-se aquela batida frase:
- "O livro de Atos é um livro histórico, não é normativo".

Quem já estudou hermenêutica sabe que existe um princípio importante que é testar a validade de nossas "regras de interpretação", pois se usarmos premissas erradas chegaremos a conclusões equivocadas.

Os reformados (cessacionistas) sempre defendem que Atos não é normativo. Isso é bastante conveniente para quem não quer admitir ensinos bíblicos como o batismo no Espírito Santo como obra distinta da conversão.

O curioso é que para os reformados Atos é o único livro não-normativo da Bíblia. E olha que os evangelhos também estão repletos de relatos históricos, e nem por isso são tidos como não-normativos.

Mas o argumento que quero destacar é o seguinte: Os exemplos bíblicos tem autoridade doutrinária quando denotam um padrão.

Evidente que não se pode pegar um relato particular registrado na Palavra e transformar em doutrina.
Exemplos:
Se pegar só a experiência de Jesus no Monte direi que sempre deve-se orar a madrugada toda.
Se pegar só a experiência de Daniel direi que sempre deve-se vestir-se de pano de saco ao jejuar.
Se pegar só a experiência de Paulo direi que toda conversão deve ser acompanhada de um clarão no céu.
Se pegar só a experiência do Pentecostes (At 2) direi que sempre o batismo no ES deve ter línguas de fogo na cabeça das pessoas.

Mas deve-se descobrir o padrão bíblico de determinada prática espiritual para estabelecer a doutrina. Se analisarmos a Bíblia toda teremos um entendimento completo sobre qualquer assunto.
Há padrões bíblicos para Oração, Jejum, Conversão e Batismo no Espírito Santo. Por exemplo, vemos na Bíblia que todo Batismo no Espírito era acompanhado de algo sobrenatural.

Se as histórias bíblicas não podem ser usadas doutrinariamente então não poderemos dizer quase nada a respeito da oração, por exemplo. A maior parte dos ensinos sobre oração advém dos exemplos registrados na Bíblia. Onde orar, como orar, quando orar... são lições tiradas das histórias bíblicas. E isso é feito tanto pelos pentecostais quanto pelos reformados. Afinal, a regra básica de hermenêutica é que "a Bíblia interpreta a própria Bíblia".

Portanto, o livro de Atos é tão normativo quanto os demais livros da Bíblia.
E quero ver provarem o contrário.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

A Diferença na Prática - 2

Calvinismo e Arminianismo na Prática

Calvinismo
Porque um calvinista ora pela salvação de alguém se Deus já determinou que a pessoa será salva?
Alguns alegam que Deus pode ter desejado usar orações particulares para a salvação da pessoa. Mas esse é um argumento que destoa do calvinismo pois se Deus determinou algo Ele não precisa da cooperação humana.

Arminianismo
Porque um arminiano ora pela salvação de alguém se a pessoa tem livre-arbítrio?
Para que Deus atue de forma mais intensa na vida da pessoa e destrua as fortalezas espirituais que a impedem de entender o evangelho. Depois disso é a pessoa quem decide se vai se converter a Deus ou não (livre-arbítrio). Mas o evangelho precisa ser eficazmente pregado!

1Cor:3:9: Porque nós somos cooperadores de Deus;
2Cor:10:4: Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas;

A Diferença na Prática

Calvinismo e Arminianismo na Prática

Calvinismo
O calvinista coerente diz:
- Se fulano se decepcionou na igreja e acabou se afastando não era um escolhido;
- Se fulano entrou num seminário liberal e acabou se desviando não era um escolhido;


Arminianismo
O arminiano coerente diz:
- Se fulano se decepcionou ou se desviou vamos atrás da ovelha perdida!

Lucas:15:4: Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la?

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Línguas sem Interpretação - Visões

Línguas sem Interpretação:
Visão Reformada x Visão Pentecostal

Com o surgimento dos reformados carismáticos muitos teólogos pentecostais passaram a adotar a posição reformada. Mas se olharmos para a Rua Azusa e o surgimento do pentecostalismo veremos que o padrão pentecostal nunca foi limitar a adoração em línguas no culto. (Leia mais aqui).

Para os pentecostais em 1Co14 Paulo trata do problema de dirigir o culto em línguas estranhas.

Mas atualmente muitos teólogos pentecostais assumem que em Corinto o apóstolo Paulo teria proibido que se falasse em línguas no culto sem que houvesse interpretação. Esse ponto de vista é a visão reformada. Nesse caso os pentecostais estariam fora do padrão apostólico por falarem em línguas num momento de oração culto. Mas se o entendimento for esse temos outro problema: as regras de 1Co14.27-31 não foram usadas em nenhum dos casos registrados em Atos (caps 2, 10 e 19).

Pentecostais e Reformados concordam que em Corinto havia uma supervalorização do dom de línguas. O que discordam é sobre a aplicação das regras prescritas por Paulo:
- para pentecostais Paulo proibiu que o culto fosse dirigido em línguas estranhas (ter pessoas falando em línguas à igreja sem interpretação), mas não proibiu a adoração particular em línguas no culto.
- para os reformados Paulo proibiu o uso completo do dom de línguas no culto, permitindo apenas quando houver interpretação.

Se temos passagens em Atos (caps 2, 10 e 19) de pessoas falando em línguas livremente (sem interpretação) não se pode concluir que em 1Co14 isso seria proibido. É preciso fazer uma interpretação que concorde com o restante da Bíblia.

A posição reformada é restritiva porque muitos pastores aceitaram os dons por honestidade teológica consigo mesmos, mas nunca o experimentaram. Outros experimentam, mas continuam presos ao discurso reformado de que Atos não serve como base para doutrinas. Alguns justificam a ausência de dons em seus cultos como sendo questão de "ordem e decência".

Por tudo isso, fico com a posição pentecostal: não podemos dirigir o culto em línguas, mas podemos adorar a Deus em línguas estranhas num momento do culto. O uso do dom não está proibido, apenas 'orientado' por uma questão de ordem e decência.

domingo, 5 de outubro de 2008

Sim! É Lícito Falar em Línguas sem Interpretação!


Sim! É Lícito Falar em Línguas sem Interpretação!
Linguas_sem_Interpretação_1

Bagunça, Barulho, Ordem e Decência

Bagunça, Barulho, Ordem e Decência

O avivamento pentecostal começou em 1901 e seu ápice foi na Rua Azusa por volta de 1906. Os cultos da Rua Azusa eram uma verdadeira “bagunça santa”! (Oh Glória!) As reuniões eram barulhentas e a liturgia pouco lembrava os cultos tradicionais e as missas católicas.

Eram reuniões de “fogo puro”, unção de Deus mesmo! Lembravam em muito as reuniões descritas no livro de Atos.

Mas pela diferença gritante com os cultos tradicionais, logo os cultos pentecostais atraíram muitas críticas.

Não que os cultos fossem desordeiros ou sem direção, mas para os padrões religiosos dominantes esses cultos eram uma “verdadeira bagunça”.

É por isso que hoje em dia os pentecostais se orgulham em dizer que gostam de uma “bagunça santa”! E claro, logo surgem fariseus para dizer que os pentecostais não seguem as instruções paulinas sobre “ordem e decência”.

A questão é: será que o entendimento dos reformados sobre ordem e decência num culto é o mesmo que o apóstolo Paulo tinha em mente?

Qual a ordem do culto proposta por Paulo? 1Cor:14:26: Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.

Oras, quem são os cristãos que seguem essas instruções de Paulo? Os pentecostais obviamente! Ou alguém tem visto línguas ou revelações em cultos reformados?
A rigor ninguém pode se dizer reformado se vive isso pois os legítimos reformados são cessacionistas... Algumas igrejas reformadas experimentaram o avivamento pentecostal e passaram a exercer os dons espirituais. Mas nesse caso hão de admitir que aprenderam com os pentecostais!

Ou seja, quando você ouvir críticas sobre o “barulho” ou a “bagunça” nos cultos pentecostais, pergunte-se qual ordem de culto você quer seguir: o culto reformado (onde o pastor monopoliza a direção do culto) ou o culto pentecostal (que valoriza a manifestação do Espírito Santo entre os irmãos)?

Sobre a questão da decência um dos pontos citados pelos reformados como sinal de indecência era o espaço dado às mulheres no avivamento da Rua Azusa – novamente vale a pena ver o que diz a Bíblia: At:21:9: E tinha este quatro filhas virgens, que profetizavam.

Podemos dar glórias a Deus pela liberdade que temos ao cultuar a Cristo, pois nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus (Gal:3:28).

Os ferrenhos opositores do pentecostalismo (e da espontaneidade do culto) costumam dizer que os cultos pentecostais carecem de “ordem e decência”. Se “ordem e decência” fosse sinônimo de liturgia engessada então os relatos bíblicos de Atos deveriam seguir esse modelo. Mas ao contrário, vemos que em Atos 2 a “espontaneidade” foi tanta que alguns acharam que os apóstolos estavam bêbados (At 2.13). Aquele culto parecia uma “bagunça” para os religiosos acostumados a uma mesmice. Mas aquele foi um culto ordeiro e decente para os padrões de Deus.

Qualquer reformado diria que Atos 2 foi uma “bagunça”. Mas será que Deus contrariaria a Si mesmo? Faria uma coisa em Atos2 para depois em 1Co14 dizer que aquilo era algo errado? Ou estaria o apóstolo Paulo apenas coibindo os exageros ocorridos na igreja de Corinto?

Já ouvi reformados dizendo ironicamente “A igreja de Corinto está vivinha entre os pentecostais!” querendo insinuar que somos infantis. Mal sabem esses irmãos qual o problema vivenciado no culto daquela igreja. Pasmem vocês, mas já vi um pentecostal chamar a liturgia tradicional de equilibrada - engessada acho que seria um termo mais apropriado. [Claro que não me refiro aos reformados avivados, e sim aos cessacionistas!]

Os cultos pentecostais assemelham-se muitos aos cultos do livro de Atos, e seguem também as recomendações de Paulo (1Cor 14) para que haja edificação.

Além dos dons espirituais, outra marca forte do pentecostalismo são as chamadas manifestações espirituais (sonhos, visões, arrebatamentos, cair, dançar, pular, chorar, sapatear, etc...). Vemos muitas dessas coisas acontecendo na Bíblia e muitas experiências autênticas desse tipo nos dias de hoje. Interessante dizer que os grandes avivamentos (mesmo calvinistas!) também foram acompanhados por experiências desse tipo.

Mas infelizmente alguns modismos têm adentrado em muitas igrejas pentecostais, onde se vê claramente pastores manipulando ou induzindo as pessoas a produzir “falsas” experiências desse tipo. Mas isso não tira a legitimidade das experiências autênticas. Assim como há pessoas que fingem falar em línguas, mas isso não tira a beleza do verdadeiro dom de línguas.

Veja alguns pontos interessantes:
1) Espontaneidade no uso dos dons e ordem não são coisas antagônicas.
2) Ter uma experiência sobrenatural e ter decência no culto não são coisas antagônicas.
3) Dar liberdade ao Espírito Santo e ter um pregação profunda também são coisas perfeitamente conciliáveis.

Deus não fica reduzido se seguirmos o que está escrito na Bíblia, pois é exatamente isso que os pentecostais fazem. Deus fica reduzido se inventamos regras "litúrgicas" pra tentar controlar o mover de Deus.
Proibir que se fale em línguas, proibir alguém de pular no Espírito, proibir de profetizar, etc... tudo isso são regras humanas. Muitas igrejas proíbem as profecias com a desculpa de "evitar exageros". Estão indo além da Bíblia, pois ela manda julgar e não proibir.

Há muitas manifestações legítimas além dos dons. Lembro-me bem de quando fui batizado no Espírito Santo: era recém convertido, estava orando sentado num banco e de repente um anjo me levantou do banco e comecei a pular de alegria no Espírito; nunca tinha sequer visto aquilo, foi algo genuíno, tremendo mesmo. Se dissermos que essas coisas não acontecem estaremos limitando o agir de Deus.

Infelizmente tenho visto muitos pentecostais afirmando que essas experiências não são de Deus e aceitando apenas os dons espirituais. É uma pena, pois se olharmos a maioria dos avivamentos na história do cristianismo vamos ver essas experiências em muito maior quantidade do que os próprios dons espirituais. Olhe os cultos dirigidos por Wesley, Whitefield, Finney, Moody e Spurgeon: os frutos que esses avivamentos deixaram falam por si.

Acho válido criticar o culto pentecostal quando este despreza a pregação, despreza o estudo bíblico, parte para a manipulação ou mesmo quando despreza os dons espirituais. Mas jamais podemos criar regras humanas para desprezar aquilo que Deus quer fazer!


OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Há cultos pentecostais mais barulhentos que outros, e barulho não é sinônimo de mover do Espírito Santo. Pessoalmente gosto de ouvir Deus tanto no barulho quanto no silêncio. Acho triste ver crentes criticando os cultos barulhentos como sendo infantis e acho lamentável ver crentes criticando os cultos mais silenciosos como se isso fosse sinônimo de frieza espiritual. O que realmente importa é que o Espírito Santo tenha liberdade, seja para agir de forma barulhenta ou de forma suave, mas isso inclui liberdade para os dons espirituais e as manifestações que Ele quiser fazer. Não podemos ser ingênuos de achar que todo culto barulhento é sinal da presença de Deus, mas pelo que vemos em Atos é bem mais comum Deus agir com barulho.