Não fui reformado! Fui transformado por Deus!

Nesse blog não fazemos proselitismo. Esse é um blog pentecostal voltado para pentecostais.
Veja na Bíblia os 5 PONTOS DO ARMINIANISMO. E veja aqui mais itens sobre Arminianismo.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Não Morrerei, Antes Viverei!

Não Morrerei, Antes Viverei!
Salmo 118:17 Não morrerei; antes, viverei e contarei as obras do SENHOR.

Dias atrás li esse salmo acima. Lembrei dos "teólogos azedos" criticando uma música famosa por afirmar que não morreremos enquanto o Senhor não cumprir sua vontade em nós. https://www.youtube.com/watch?v=7rpA-SnxoAs

Sei que a afirmação é teologicamente questionável, mas os teólogos precisam entender que fazer "declarações de fé" é algo que faz parte da espiritualidade bíblica.

O salmista fez uma declaração cheia de esperança e fé quando disse: "Não Morrerei, Antes Viverei!".

Há muitos salmistas na Bíblia que fazem declarações fervorosas! Tem um salmo que diz que "praga alguma chegará na tua tenda" (Salmo 91). É uma declaração cheia de fé!

Muitas declarações assim são feitas nos Salmos como fruto de uma confiança da pessoa em Deus. Mas alguns teólogos azedos parecem não entender isso.

Mesmo o apóstolo Paulo nutria fé sobre o futuro (ainda na Terra) ao dizer:
  • "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus" (Rom 8.28);
  • "O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus. (Filipenses 4:19)".

Um crente fervoroso declara sua fé, seja numa oração, numa pregação ou numa canção.

Os "teólogos do azedume" deveriam desfrutar um pouco mais da fé singela e confiante em Deus. É interessante que pessoas eruditas (ou azedas?) demais facilmente percam a "fé prática".

A Bíblia nos convida a receber o Reino de Deus como uma criança, ou seja, sem tanta complicação! É bom estudarmos teologia, mas ela não pode nos roubar a simplicidade de confiar em Deus em toda e qualquer situação.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

É Tudo Heresia?

É TUDO HERESIA?

A maioria dos sites e blogs apologéticos costuma rotular de heresia tudo do que discordam. Será mesmo que todas as diferenças existentes entre as igrejas (denominações) podem ser chamadas de heresia? É uma acusação forte chamar alguém de herege.

Esse é um campo complexo e delicado por vários motivos. Há partidarismos, implicâncias, disputas pessoais, gostos, preferências e estilos que acabam levando pessoas a criticarem os que se expressam ou pensam de forma diferente em certas questões. E infelizmente muitas dessas diferenças ganham o 'status' de heresia e acabam causando divisão entre os irmãos. Penso que é preciso dar pesos diferentes dependendo da relevância de cada doutrina e do grau de clareza expresso nas Escrituras sobre um assunto. O próprio apóstolo Pedro admitia que há temas bíblicos mais complexos e outros mais cristalinos (2Pe 3.16).

Creio que seja apropriado classificar as "divergências cristãs" em 5 níveis:

1) Heresias: desvios em temas centrais da fé (questões inegociáveis como Autoridade Bíblica, Trindade, Salvação somente pela fé em Cristo, Pecado Original, Punição Eterna, Volta de Cristo, etc). Exemplos de heresias: unitarismo, universalismo, pelagianismo, mormonismo, liberalismo teológico, etc.
a) O legalismo é uma heresia por negar o poder da cruz de Cristo (Gal 5.4).
b) A defesa da libertinagem (gayzismo cristão, aprovação ao sexo imoral, etc) feita por alguns pregadores cristãos (liberais) classifico como herética pois "os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus" (Gal 5:21). É verdade que todos pecamos, mas uma coisa é pecar e outra é defender o pecado e permanecer pecando. O apóstolo Pedro nos adverte sobre o erro daqueles que não tem princípios morais (2 Pe 3.17).
2Pe 2:1 No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.

2) Ventos de Doutrina: erros teológicos menores. Exemplos de ventos doutrinários: evolucionismo cristão, feminismo cristão, pacifismo cristão, cessacionismo, etc. Cabem aqui também alguns modismos como a teologia da missão integral e a teologia da prosperidade que certamente destoam da teologia ortodoxa da mordomia cristã. Os atos proféticos e pontos de contato também carecem de embasamento bíblico.
Efésios 4:14 O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro.

3) Questões Abertas Históricas: temas debatidos na história cristã sem haver consenso na Ortodoxia. Exemplos: dinâmicas da salvação (arminianismo/molinismo ou calvinismo/tomismo), escatologia (pré-milenismo, amilenismo ou pós-milenismo), batismo (pedobatismo ou credobatismo, imersão ou aspersão), sistemas eclesiológicos (episcopal, congregacional, presbiteriano, celular), castigo eterno (inferno literal, inferno alegórico, aniquilamento), aliancismo ou dispensacionalismo, etc.

4) Questões Abertas Recentes: temas polêmicos que destoam da Ortodoxia clássica, mas que são biblicamente discutíveis. Exemplos: ordenação feminina, espíritos territoriais, quebra de maldição, confissão positiva, cura na expiação, arrependimento por pecados coletivos, movimento apostólico moderno, transferência de unção, mapeamento espiritual, etc. Poderia citar ainda algumas unções como o cair no Espírito.
[Sei que a maioria dos apologetas de tradição reformada e pentecostal prefere rotular esse item 4 como "modismos neopentecostais" e talvez me critiquem por classificar como questões abertas. Mas o fato é que existem versículos que podem ser interpretados a favor ou contra essas posições. Sendo assim acho prudente reconhecer nossa limitação ao invés de presumir que tudo que vem dos neopentecostais é equivocado]

5) Questões Abertas de Liberdade Individual: são questões que a Bíblia não fecha questão. Exemplos: guarda do sábado, celebração de festas judaicas, restrições alimentares, estilo de louvor, forma de celebrar a Ceia, formato do altar e púlpito, uso de tatuagem, piercing, etc.
Rom 14:1 Aceitem o que é fraco na fé, sem discutir assuntos controvertidos.
Rom 14:2 Um crê que pode comer de tudo; já outro, cuja fé é fraca, come apenas alimentos vegetais.
Rom 14:3 Aquele que come de tudo não deve desprezar o que não come, e aquele que não come de tudo não deve condenar aquele que come, pois Deus o aceitou.
Rom 14:4 Quem é você para julgar o servo alheio? É para o seu senhor que ele está de pé ou cai. E ficará de pé, pois o Senhor é capaz de o sustentar.
Rom 14:5 Há quem considere um dia mais sagrado que outro; há quem considere iguais todos os dias. Cada um deve estar plenamente convicto em sua própria mente.
Rom 14:6 Aquele que considera um dia como especial, para o Senhor assim o faz. Aquele que come carne, come para o Senhor, pois dá graças a Deus; e aquele que se abstém, para o Senhor se abstém, e dá graças a Deus.

PS. 1 - Convicções Pessoais: Acima procurei categorizar os debates doutrinários em níveis de relevância teológica. Ao afirmar as distinções acima não manifestei minhas opiniões pessoais sobre cada doutrina. Meu entendimento é que posso defender com ardor as doutrinas que creio sem desprezar os irmãos que pensam diferente de mim. Por exemplo: defendo com unhas e dentes o credobatismo e na igreja que pastoreio não batizamos crianças, porém isso não me impede de comungar com irmãos presbiterianos que são preciosos. 

PS. 2 - Impacto dos Erros Teológicos: Acredito que o erro teológico traz prejuízos na vida prática do crente, pois a doutrina gera a prática. Nesse sentido todo crente deve buscar a verdade. Porém um erro teológico (vento de doutrina) não impede a salvação da pessoa. Por exemplo: um cessacionista deixa de provar os dons do Espírito Santo, mas nem por isso deixa de ser salvo. Já as heresias de perdição comprometem a salvação.

PS. 3 - Implicâncias com Grupos: Percebo no meio teológico-apologético certa implicância com a Igreja Adventista, com a Congregação Cristã no Brasil e com os neopentecostais em geral. Ainda que hajam erros doutrinários não desprezo esses irmãos e nem os chamo de heréticos. Lembro que certa vez vi na Revista Defesa da Fé (ICP) um teólogo assembleiano criticando os adventistas por proibirem o consumo de carne suína e chamando-os de heréticos - lamentei a incoerência pois na mesma época várias Assembléias de Deus pregavam que a mulher não podia cortar o cabelo e nem usar calça, contudo ninguém chamava a AD de herética por ter uma proibição infundada.

PS. 4 - Implicâncias com Pessoas: Outra coisa que percebo no meio teológico-apologético são as implicâncias pessoais que se transformam em 'perseguição' teológica. Já vi afirmações de vários pregadores famosos serem tiradas do contexto e promoverem ataques por mera antipatia gratuita. Há pessoas na internet que criticam tudo que for falado pelo Silas Malafaia, Marco Feliciano, Ariovaldo Ramos, Rick Warren, etc. Dependendo em que 'torcida' a pessoa está o 'oponente' é massacrado. Isso tudo não passa de carnalidade divisiva. É mais produtivo atacar e discutir idéias do que atacar pessoas (a menos que seja um falso profeta, pois esse deve-se evitar).

Precisamos conviver com os irmãos que pensam diferente em questões secundárias. Posso discordar fortemente do esquerdismo (Missão Integral) do Ariovaldo Ramos, mas nem por isso desprezo as coisas boas que ele diz. Gosto do Silas Malafaia na defesa dos valores conservadores, mas nem por isso concordo com Teologia da Prosperidade. Mesmo havendo discordâncias Silas e Ariovaldo são irmãos preciosos. Somos um só corpo em Cristo.
Gal 3:26 Todos vocês são filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus,
Gal 3:27 pois os que em Cristo foram batizados, de Cristo se revestiram.
Gal 3:28 Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus.

Certa vez vi um blogueiro que 'detesta' neopentecostais criticando a Joice Meyer porque ela afirmou que "não somos pecadores". Ela estava explicando que a Bíblia chama os salvos de 'santos' ao invés de 'pecadores'. Essa é uma expressão que a Bíblia usa diversas vezes (veja Ef 1.1 por exemplo). Em momento algum ela negou o fato de que ainda pecamos. Mas o tal blog tratou de escarnecê-la afirmando que ela pregava uma heresia ao negar que pecamos (citou até 1João:1:8 para criticar a Joice por algo que ela não disse). Ficou evidente a falta de vontade de compreender o outro.

Gal 5:19-23 Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei.

Livre-Arbítrio na Bíblia toda

Quais são os versículos que apoiam o livre arbítrio?

"Depende do que queremos dizer por "livre arbítrio". Simplificando o caso e falando apenas de "oportunidade de escolha", eu acredito que isto está por toda a Escritura. Desde o Éden Deus convoca os seres humanos a fazerem uma escolha e encararem as suas consequências. Caim e Abel, ou mesmo todos os personagens bíblicos do AT, a história de Israel, os diálogos de Jesus com os judeus, de Paulo com os gentios, em todos esses casos as escolhas humanas estão envolvidas.

Resta saber se essa oportunidade de escolha é real (Arminianismo) ou se nossas escolhas são determinadas por Deus, de forma que a oportunidade de escolha na verdade é apenas aparente (Calvinismo)."

[Paulo Cesar Antunes]

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Teologia da Missão Integral na Berlinda

TEOLOGIA DA MISSÃO INTEGRAL DESMASCARADA!!

1 - O engano já começa em se chamar de 'Integral' algo que NÃO inclui o 'carismatismo' inerente à missão da Igreja. Na prática a TMI que vejo é Pregação Reformada + Ação Social + Conceitos Marxistas. Na Bíblia ser 'Integral' vai muito além de ação social.

2 - A TMI (Teologia da Missão Integral) é tão materialista quando a TdP (Teologia da Prosperidade). São dois lados da mesma moeda. Por isso acho cômico ver tantos defensores da TMI criticando a TdP sem perceber que caem no mesmo erro. A TMI é filha do materialismo histórico.

3 - TMI não é fruto de Lausanne (1974). Os teólogos da TMI participaram de Lausanne, mas sua teologia não representa aquele congresso. C. Peter Wagner também participou daquele Congresso representando os conservadores e brecando o avanço da TMI no Congresso. O que temos na TMI é uma versão reducionista focada na questão social e ligada à esquerda latino-americana.

https://www.youtube.com/watch?v=Fd8Tv0YWmC0

terça-feira, 6 de maio de 2014

A Evolução do Pensamento de Agostinho

A Evolução do Pensamento de Agostinho

Uma aula sobre o pensamento sinergista dos pais da Igreja e a migração de Agostinho para o determinismo.

Recomendo o podcast: http://bibotalk.com.br/site/podcast/btcast-072-a-evolucao-do-pensamento-de-agostinho

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Deus Amou o Mundo

DEUS AMOU O MUNDO
O RESGATE DOUTRINÁRIO DO AMOR DE DEUS

Na Reforma Protestante Deus iniciou um processo de restauração da doutrina cristã.


Os anabatistas (menonitas) surgiram na Reforma Protestante defendendo a separação entre igreja e Estado, a adesão voluntária à igreja, o batismo de adultos e reprovando o uso de qualquer tipo de violência. Eles se opunham à visão (reformada) de que Deus fosse o autor do pecado.

Mas coube a Armínio (James Arminius), um reformado, ecoar com veemência a mensagem retumbante de que Deus ama a TODOS.

Os arminianos (remonstrantes) levaram isso muito há sério. Além de pregar a mensagem do amor de Deus por todos, eles adotaram uma postura tolerante para com os que discordavam deles.

Enquanto os demais protestantes (luteranos e calvinistas) perseguiam opositores e queimavam os hereges na fogueira vemos os arminianos se opondo à pena capital comumente aplicada aos hereges.

Os anabatistas já vinham se opondo à violência, mas adotaram a linha do pacifismo.
Os arminianos reprovavam a violência, mas sem aderir ao pacifismo. Mantiveram a visão reformada de que o Estado tem direito de usar a 'espada' para manter a ordem pública.

Os anabatistas influenciaram o protestantismo com as idéias de separação entre igreja e Estado que só viriam a prevalecer séculos mais tarde. Já o arminianismo influenciou o protestantismo predominante (estatal) com a mensagem do amor de Deus por todos os homens. Por ter surgido no meio reformado a visão arminiana foi ganhando influência até se tornar majoritária séculos mais tarde com o pentecostalismo.

O arminianismo foi uma ruptura com a cultura intolerante e austera que ainda vigorava no meio reformado (calvinista).

Ainda hoje encontramos muitos reformados intolerantes e 'ranzinzas', e esse hábito deriva diretamente de Calvino, que perseguia seus oponentes.

O arminianismo foi, portanto, um divisor de águas na história cristã pós-reforma. O discurso de que Deus ama a todos era 'subversivo' na época e por isso foi tão combatido.

"Conhecer Arminius é conhecer a liberdade que celebramos em Jesus Cristo, pois sua teologia é uma teologia de liberação. Ela eleva cada um no mesmo nível. Ela diz que não importa quem você é, você tem uma posição igual aos olhos de Deus. Rei ou plebeu, não importa. Deus ama você da mesma forma. Quando Cristo morreu na cruz, ele morreu por você. A história da redenção é sobre o mundo todo – sobre cada homem, cada mulher, e cada criança;" (http://www.arminianismo.com/index.php?option=com_content&view=article&id=1023)

O arminianismo viria a influenciar diversos segmentos protestantes (reformados, anglicanos, luteranos, anabatistas, batistas, metodistas, etc).

E graças à influencia de John Wesley (e também dos batistas gerais) o arminianismo viria compor a teologia pentecostal que se alastraria pelo mundo no século XX.

O arminianismo continua sendo rejeitado em meios acadêmicos calvinistas, mas hoje seus 5 pontos exercem influencia majoritária no meio protestante.

A vasta disseminação da visão arminiana representa uma vitória: o amor prevaleceu!

Sugestões de Leitura: